Era uma vez o país do futebol

Brasil chega à Copa do Mundo sem despertar interesse

A bola vai rolar na Rússia a partir de quinta-feira (14/6), sendo um evento esportivo aguardado a cada quatro anos. Para os fãs de futebol, o tempo de espera é um sofrimento insuportável. Mas, segundo uma pesquisa do Datafolha, 53% dos brasileiros estão sem interesse em assistir aos jogos da «Seleção». A maioria parece estar mais preocupada com os rumos da economia e as incertezas sobre as eleições presidenciais.

Se a desmotivação dos brasileiros quanto à competição futebolística bateu recorde, em contexto de crise, estes dados demonstram que o povo amadureceu sua consciência política. Isto não significa que se deixou de amar a pátria, muito pelo contrário.

Não faz muito tempo, as ruas enfeitadas de verde-amarelo deixavam o país em estado de letargia durante um mês, tempo necessário para a realização da Copa. A paixão pelos jogadores nos trazia um fanatismo estranho, muitas vezes zombado ou admirado pelos estrangeiros.

Com os escândalos da CBF, a mão da Rede Globo em questões de direito de transmissão, o dinheiro farto dos atletas, a fama de «terra do futebol» parece agora ter levado uma pancada.

Seja como for, quando a equipe começar a competição, novamente ultrafavorita, nossa alma de torcedor vai retornar ao purgatório, em frente à TV. Vamos certamente gritar gol até ficar com a voz arrebentada, abraçar todo mundo e se indagar (discussão entre bêbados) sobre o futuro da nação. Talvez seja a maneira mais eficaz de resgatar a credibilidade, com a conquista do «hexa», retomando uma posição de seriedade depois da grande final, no dia 15 de julho, em Moscou. De preferência uma revanche contra a Alemanha…